Nosso drink com cerveja para esse verão

Por Mirella Camargo

Início de ano é tempo de férias, época de curtir uma praia e a estação mais tropical do ano: o verão!

beerbuster_coletivo_tropical
Foto: Mirella Camargo

Quando se fala em verão e calor, pensamos logo em tomar uma cerveja estupidamente gelada. Mas você sabia que também é possível criar drinks com cerveja?

Não é uma bebida muito comum nas cartas de drinks dos bares por aí, mas sim, é possível brincar com a cerveja e misturá-la a outras bebidas e ter um resultado fantástico. Geralmente vemos drinks à base de vodka, whisky, gin, cachaça, mas hoje é dia de aprender a fazer um “Beer Buster”.

Neste drink vamos juntar cerveja, vodka e pimenta. Sim, pimenta!! As bebidas devem estar bem geladas para ter um resultado perfeito. Apesar de apimentado, o Beer Buster é um drink super refrescante. Você praticamente não vai notar a presença da vodka, a não ser pelo fato do teor alcoólico que vai fazer você dar umas risadinhas em poucos minutos. Já a pimenta, esta sim já notamos no primeiro gole, mas sem exagero, em um equilíbrio perfeito.

Dica do amor ❤

Além da cerveja bem gelada, é importante que a vodka usada no drink esteja armazenada no freezer para que o drink não perca a temperatura ideal. Aqui em casa a vodka mora no freezer, sempre!

Ingredientes:

  • 35ml de Vodka gelada (o ideal é que a garrafa esteja no freezer)
  • 3 gotas de pimenta Tabasco
  • 350ml de cerveja Larger ou Ale bem gelada
Como preparar:

Em uma caneca de chopp, misture a vodka com a pimenta. Gentilmente complete a caneca com a cerveja e sirva. É só isso! Ah! Lembre-se: por ser apimentado e gelado, este drink pede um bom petisco para acompanhar.

E você? Já tentou fazer algum drink com cerveja? Conte para nós o resultado!

 Saúde! 😉

Receita: Ultimate Bar Book by Mittie Hellmich – Ed. Chronicle Books

Panzanella da Katie: a salada da felicidade

Por Raphaella Perlingeiro

Eu cresci comendo as saladas da minha avó. Ela era uma grande cozinheira, mas este era um item sempre desvalorizado no seu imaginário gastronômico. 

Foto: Raphaella Perlingeiro
Foto: Raphaella Perlingeiro

O negócio dela era preparar uma boa língua, o clássico pastelão de frango ou um cozido. Afinal, quem tem tempo para salada com um repertório desses? E mesmo que todos quisessem uma salada diferente, para ela, isso não lhe dizia respeito.

Para playlist da cozinha!

Salada para minha avó era: tomate, alface e pepino no molho vinagrete e ponto final.

Infelizmente, não aprendi a cozinhar com a minha avó. Então, todos esses pratos são como fantasmas na minha vida. Estou sempre procurando aquela receita de pastelão. Por outro lado, essa falta acabou me instigando a construir um novo repertório de receitas. Para vocês verem como nada é totalmente ruim, certo?

Uma das minhas diversões preferidas é ir a livraria e passar horas folheando livros de receitas. E, foi num dia assim que esbarrei com o livro da Katie. Ele me ganhou de primeira. As fotos são incríveis! Faz você desejar ir para uma casa de campo com suas pessoas queridas e alimentá-las com todos os pratos do livro. Uma sensação maravilhosa! 

De todas as receitas, a resolvi testar primeiro foi a Panzanella. Uma salada exatamente como era o pastelão da minha avó, rústico e convidativo. A receita ficou um pouco demorada, já que resolvi assar os pimentões no lugar de chamuscá-los na boca do fogão. 

Mas eu testei e te prometo, vale o trabalho. Vale muito! 

Tweet: Ela é uma salada ótima para converter aqueles inocentes que ainda não descobriram a delícia de um pimentão assado.

Livro: DAVIES, Katie Quinn. Quando Katie Cozinha: receitas e outras coisinhas. São Paulo: editora Panelinha, 2013.

PANZANELLA DA KATIE (serve 2 como prato principal e 4 como entrada ou acompanhamento)

Ingredientes:

1)   8 tomates grape cortados ao meio e no sentido do comprimento – esse detalhe é estético e faz diferença;

2)   Sal marinho e pimenta-do-reino moída na hora (invista em um sal bom);

3)   1 pão italiano redondo do dia anterior. Ele deve ser cortado em pedaços do tamanho de uma mordida (Eu compro no Zona Sul ou na Casa Carandaí);

4)   3 pimentões vermelhos;

5)   1 colher de sopa de azeite extra-virgem (você irá usar mais que isso);

6)   220g de mozzarella de búfala fresca picada de maneira rústica;

7)   1 colher de sopa de alcaparras (a Katie diz para lavá-las antes, mas não é necessário);

8)   1 maço de folhas de manjericão (só as folhas, e você deve usar o manjericão de folha grande).

Molho de vinagre balsâmico

1)   3 colheres de sopa de azeite extravirgem;

2)   1 colher de sopa de vinagre balsâmico (invista em uma garrafa de qualidade. Vai valer a pena!);

3)   Sal marinho e pimenta-do-reino moída na hora.

Preparo:

1)   Pré-aqueça o forno a 130a C (ou na menor temperatura possível. O meu mínimo é 180 a C, por exemplo);

2)   Medir e separar todos ingredientes (vou insistir mais uma vez, essa é uma etapa fundamental. Cozinha é método!);

3)   Coloque os tomates cortados no sentindo do comprimento em uma assadeira;

4)   Salpique sal e pimenta recém moída sobre os tomates. Depois jogue um pouco de azeite. Reserve;

5)   Pegue os pimentões e coloque em uma forma sobre uma folha de papel manteiga (a Katie tosta eles na chama de um dos queimadores do fogão. Eu não gostei dessa opção. Fiz uma zona! Eu prefiro eles assados no forno. Acho que fica mais gostoso. Você pode escolher o jeito que gostar mais);

6)   Leve ao forno os tomates e os pimentões ao mesmo tempo;

 Lembrete! O tempo para o tomate é de 2 horas. Não disse que demora? Se o seu forno for como o meu (um droga), dê uma olhada quando der 1 hora no forno. Você deve retirá-los quando estiverem levemente caramelizados. Para os pimentões, deixe uns 30 minutos depois vire eles do outro lado com um pegador. Eles irão inchar e depois ficarão um pouco tostados.

Não esqueça que esse aspecto murcho o pimentão só terá depois de retirado do forno e esfriado.

7)   Enquanto os tomates e o os pimentões estiverem no forno, pegue os pães picados e coloque em outra forma e regue com um pouco de azeite. Reserve;

8)   Já passou uma hora? Veja se os tomates estão levemente caraterizados. Se a resposta for sim, retire-os do forno e reserve;

9)   Você já pode colocar os pães no forno por 30 minutos no máximo (é só para eles ficarem crocantes);

10)    Agora é vez dos pimentões! Quando levemente tostados, retire os pimentões e deixe-os esfriar;

11)    Enquanto isso faça o molho. É só misturar todos os ingredientes em uma tigela;

12)    Se os pães estiverem prontos, não esqueça de retirá-los;

13)    É hora de tirar a pele e as sementes dos pimentões. Não esqueça de tirar a parte branca também (o cheiro é incrível nessa hora);

14)    Fatie os pimentões em tiras (não precisa ser perfeccionista), depois jogue em uma tigela e misture um pouco de azeite extra-virgem;

15)    Jogue o molho de balsâmico sobre os pães ainda na forma;

16)    Misture bem e depois retire-os com uma escumadeira e os leve para a travessa onde pretende servir a salada (tome o cuidado para deixar um pouco do molho na forma. Você irá usá-lo depois);

17)    Junte ao pão o tomate caramelizado, o pimentão (sem o excesso de azeite); a mozzarella picada; as alcaparras (lavadas ou não) e o manjericão;

18)    Agora sim, você vem com o resto do molho que ficou na forma onde foi assado o pão e derrama o restinho do molho sobre a salada;

19)    Tempere com sal e pimenta. Voilà! Habemus Panzanella!

Do amor e uma receita de smoothie

Por Mirella Camargo

John Taylor, baixista do Duran Duran, minha banda favorita dos anos 80 e de toda a vida, fez uma descrição perfeita do ato de “juntar-se” com alguém, em sua biografia lançada em 2014.

Foto: Mirella Camargo
Foto: Mirella Camargo

John teve seu primeiro casamento (ou tentativa de) com Amanda de Cadenet, com quem teve uma filha linda, a Atlanta. Mas até então não sabia o verdadeiro significado de “juntar tudo”.

Em algum momento da vida, encontrou Gela, fundadora da marca bem sucedida de roupas, Juicy Couture, e apaixonou-se instantaneamente. Gela já tinha dois filhos do primeiro casamento, e ele tinha Atlanta. Perfeito, agora seriam cinco! Era só juntar tudo, num passe de mágica e viver um conto de fadas.

Ao juntar tudo, ele entendeu que o processo é como fazer um smoothie de banana. Neste momento, ele desejou que alguém desse a ele um manual, um livro de receitas que ensinasse o passo-a-passo da “arte de juntar tudo”.

Ele, assim como a maioria de nós, associava a palavra juntar a algo como fazer um smoothie. A gente joga tudo no liquidificador, aperta um botão e voilà! Está tudo junto e misturado. Num passe de mágica.

O que John percebeu, contudo, é que muitas vezes demoramos a nos adaptar. E que, para fazer o smoothie, é preciso ligar o liquidificador. Encarar as lâminas retalhadoras que existem por baixo, que estão lá, cortando tudo aos pedaços, para que somente depois ocorra a “união” de todos os ingredientes.

Cabe a nós, colocar uma pitada disso ou daquilo, identificar se o açúcar que estamos colocando está em excesso, se não estamos batendo demais. Beber um belo smoothie de banana é muito bom, mas é preciso saber fazer. É preciso ter paciência para achar a receita correta, que agrade ao paladar de todos.

Muitas vezes as “lâminas” são necessárias na vida. Os cortes abrem feridas que ao cicatrizar nos tornam mais fortes. É preciso ter coragem! Por isso, pule no liquidificador de peito aberto! Quando as lâminas te atingirem, lembre-se que no final você beberá um belo e refrescante smoothie. Saúde!

Receita de Smoothie (1 copo):

1 banana cortada em rodelas e congelada
120ml de leite gelado
1 colher (chá) de café solúvel
1 colher (sopa) de cacau em pó
1 colher (sopa) de açúcar (usei demerara)
1 colher (sopa) de coco fresco ralado (opcional)

Coloque a banana congelada com os outros ingredientes no liquidificador e bata bem. Sirva a seguir.

  • Receita adaptada do livro “Loucuras de Chocolate”de Simone Izumi – Editora Panda Books;
  • Taylor, John. No Ritmo do Prazer: amor, morte e Duran Duran. São Paulo: Benvirá, 2014.

Foto de destaque: Mirella Camargo

#SemanaVerde: receita de iogurte natural caseiro

Por Mirella Camargo

Você já parou para pensar que os benefícios de fazer um iogurte natural em casa vão além de ter um produto saudável e com menos aditivos desnecessários?

image
Foto: Mirella Camargo

Ao abrir mão de comprar dezenas de potinhos individuais de iogurte no supermercado, você está não só contribuindo com a sua saúde, como ajudando o meio-ambiente. Uma pessoa como eu, que utiliza iogurte natural diariamente, ao final de um mês teria certamente descartado no lixo ao menos 25 potinhos plásticos. O que no decorrer de um ano, somaria um montante de 300 potinhos plásticos que muitas vezes não chegam a ser reciclados.

Eu tenho o cuidado de separar o meu lixo orgânico do lixo reciclável, mas em um país como o nosso, que ainda está engatinhando em questões como esta, certamente metade deste lixo após separado não chega ao destino correto. Uma pena! Mas não deixo de contribuir com a minha parte.

Fazer o seu próprio iogurte é muito simples e rápido. Você não precisa de iogurteira e nem mesmo de termômetro. Vamos nessa?

Iogurte caseiro

Você vai precisar de:

  • 1 litro de leite (eu uso de caixinha)
  • 1 potinho de iogurte natural (integral ou desnatado)*

*Olhe o rótulo, procure um iogurte o mais natural possível. Evite produtos com muitos ingredientes na composição.

  1. Use o leite em temperatura ambiente. Coloque para ferver 400ml do leite. Desligue e junte o restante do leite para chegar na temperatura certa. Com esta proporção, você não precisa nem de termômetro, pois o leite sempre vai chegar na temperatura que precisamos.
  2. Em um copo alto ou medidor, misture o iogurte com um pouco do leite e bata bem com uma colher para que ele dissolva por completo. Junte ao restante do leite e misture bem. Coloque em um recipiente com tampa, de preferencia de vidro, e embrulhe em um ou dois panos de prato. Deixe descansando durante a noite em um lugar mais quentinho (pode ser dentro do forno). No dia seguinte, leve à geladeira por no mínimo 6 horas.
  3. Para fazer os próximos iogurtes você não precisará mais comprar no supermercado. É só separar um potinho do seu próprio iogurte e repetir todo o processo. Porém, por conta de contaminação, já que em casa não temos um ambiente completamente esterilizado, é recomendável a cada 40 ou 60 dias, comprar um novo potinho de iogurte para recomeçar o processo.

Simples, barato e mais saudável.

Tem alguma receita interessante para compartilhar? Use a #semanaverde e compartilhe nas redes sociais para a gente acompanhar.

Receita para café-da-manhã saudável no inverno

Por Mirella Camargo e Raphaella Perlingeiro

Mingau da vovó ficou fitness, gente!

Essa é “a” pedida para dias invernais como estes que estamos vivendo! A aveia é um alimento mais que nutritivo. Ótima para controlar o colesterol, a taxa de açúcar e ainda melhor para a defesa imunológica. Imagina se você optar por uma versão orgânica?

O interessante desta receita é que ela usa leite de amêndoas no lugar do tradicional – ótimo para quem tem alergia a lactose – e as tâmaras e o xarope de bordo (maple) fazem a vez do açúcar refinado. Uma substituição que a nossa formiguinha (Mirella Camargo) testou e aprovou.

Então, se estiver a procura de um momento “me aqueça neste inverno com afeto”, mas sem comprometer sua nutrição e “corpitcho, essa é nossa recomendação!

Foto de Mirella Camargo
Foto de Mirella Camargo

Referência: HART, Alice. Meu Primeiro Jantar Vegetariano. São Paulo: Editora Senac, 2012.

Mingau Vegano de Aveia

Ingredientes

200 g de aveia em flocos (orgânica é melhor);

½ casca da canela (ou canela em pau);

500 ml de leite de amêndoas fresco sem açúcar;

50 g de tâmaras sem caroço picadas;

50 g de amêndoas cortadas em lâminas e ligeiramente torradas;

1 fio de xarope de bordo (xarope de maple).

Modo

  • Na geladeira, deixe a aveia em flocos e a canela de molho na metade do leite de amêndoas durante uma noite inteira (os flocos irão amolecer na medida certa);
  • No dia seguinte, misture com as tâmaras, as amêndoas e xarope de bordo.

Para servir quente:

  • Se quiser consumir quente (ideal para o inverno), aqueça a mistura com o resto do leite de amêndoas por alguns minutos (+/- 5 min) e em fogo baixo;
  • Mexa constantemente até ficar consistente e cremoso (se engrossar demais é só colocar um pouco de água);

Dica de ouro!

Se quiser guardar para a semana, mergulhe alguns vidrinhos em água quente para esterilizar. Depois de secar, distribua o mingau neles, coloque as tâmaras e algumas lâminas de amêndoas. Regue com um fio de xarope de bordo. Feche e guarde na geladeira para ir consumindo durante a semana.

 

Se você fizer esta receita, conta para a gente. Compartilhe seu tempero especial. A gente quer saber. 😉