6 receitas fáceis para curtir no frio

Por Chris Menezes

Friozinho chegando aqui nas terras tropicais e junto com ele a preguiça de encarar as panelas e o fogão. Para te ajudar a não se entregar somente ao macarrão instantâneo ou ao fast food, seguem 6 delícias bem rápidas e simples para fazer em casa.

Polenta com ragu de calabresa

Tem coisa mais comfort food que uma polentinha quente? E se ela vier acompanhada com de um saboroso molho de linguiça bem defumada? Hmmmm…

IMG_5526

Receita Monta Encanta

Massa de frigideira

Calma… essa receita não tem nada a ver com o tal macarrão de panela de pressão. Estamos falando de uma massa que é cozida diretamente na frigideira junto com os ingredientes do molho. E o melhor: fica pronta em 9 minutos!

18779483_BSOao

Receita da Nora Singley publicada pelo Casal Mistério

Avocado Toast

Novo xodó nos cafés da manhã, a torrada com avocado serve perfeitamente para um lanche noturno ou um almoço na correria.

FullSizeRender (7).jpg

Receita do Gimme Delicious

Chocolate quente com cardamomo

Aquece o coração, acalma a vontade por doce e ainda vem carregado de sabor. Como resistir a um chocolate quente perfumado com uma especiaria tão delicada?

bab1309ed73c9789819f3cea94324e45

Receita Food52.com no Pinterest

Creme de palmito

Não existe lista de receitas pro frio sem sopa, né? E esse creme de palmito do Moldando Afeto é hmmmmm…um beijinho quente no coração!

cremepalmito01.jpg

Escondidinho de Ovomaltine e Kit Kat

Eu, Chris Menezes, são tão louca por essa receita que ela já foi até presente de aniversário. E o melhor são apenas TRÊS ingredientes.

escondidinho-ovomaltine-kit-kat1.jpg

Obrigada, Gordelícias, pela graça alcançada!!!

E vocês? Tem alguma delícia fácil de fazer para curtir na época de frio?

Anúncios

Defina sua personalidade pelo nome da sua…

Por Chris Menezes e Mirella Camargo

Este poderia ser mais um daqueles inúteis testes de personalidade que brotam diariamente na timeline do Facebook. Em pleno século…mas em qual século estamos mesmo? Deixa pra lá, pois não vai fazer a menor diferença. O que quero dizer é que nos dias de hoje ainda é possível esbarrar em comentários que poderiam estar saindo de um manuscrito de séculos antes de Cristo.

Nos últimos dias foi noticiado que um ator da Rede Globo está sendo acusado de assédio sexual por uma funcionária da emissora. Ao relatar os abusos a mulher em dado momento diz que ele colocou a mão em sua “buceta”. Veja parte do relato:

“Em fevereiro de 2017, dentro do camarim da empresa, na presença de outras duas mulheres, esse ator, branco, rico, de 67 anos, que fez fama como garanhão, colocou a mão esquerda na minha genitália. Sim, ele colocou a mão na minha buceta e ainda disse que esse era seu desejo antigo. Elas? Elas, que poderiam ser eu, não ficaram constrangidas. Chegaram até a rir de sua “piada”. Eu? Eu me vi só, desprotegida, encurralada, ridicularizada, inferiorizada, invisível. Senti desespero, nojo, arrependimento de estar ali. Não havia cumplicidade, sororidade”.

Eis que em um compartilhamento da notícia em uma rede social, várias mulheres fazem comentários dizendo que por ter usado o nome “buceta” para a genitália, coisa boa ela não seria, que estaria sendo basta e desnecessária. Mas oi??? Como assim, queridinha? Teria que dizer: “ele colocou a mão na minha florzinha?”

O que define os fatos é o nome que se dá a uma parte do corpo? Ou melhor, por que se tira o foco de uma violência da qual somos TODAS vítimas e passa a se questionar o nome que damos ao nosso órgão sexual? Por que esse detalhe passa a ser o tema do debate entre as mulheres e não a violência em si? Justo entre mulheres!!!! Até entendemos o incômodo em ler um palavrão num texto, mas é um tanto quanto cruel e infantil determinar o que é certo ser dito num caso desses, não acham?

Tá faltando cumplicidade e sororidade, como bem apontou a moça do episódio global. Mas tá faltando também muito bom senso e empatia, aquele sentimento lindo que faz com que a  gente se coloque no lugar da outra e pergunte “e se fosse com a minha buceta”?

Surpresa Indigesta: como lidar com nudes aleatórios no computador do boy

Por Chris Menezes

O que fazer quando você está mexendo no computador do carinha (a pedido dele, que fique claro) e se depara com um nude que não é seu?

Aconteceu comigo recentemente e vou compartilhar o passo-a-passo para sair dessa situação com dignidade. Vem comigo!

Definindo o termo “boy” 😉
  • Boy é aquele cara com quem você  já está se relacionando há um tempinho, mas não virou namorado ainda. Sem grandes compromissos assumidos, mas com um acordo implícito de, digamos, exclusividade. Isto posto, vamos ao que interessa…

1) Respire fundo e lembre é só um nude. Você não sabe a história por trás daquela imagem. Não sabe sequer há quanto tempo ela foi enviada.

2) Não entre em pânico. Se ficou muito incomodada, sai da frente do computador e vai dar uma respirada em outro cômodo, bebe uma água e respira fundo.

3) Não caia na tentação de abrir a imagem ou procurar por outras. Isso seria uma invasão de privacidade que você não quer na sua conta.

4) Não confronte o cara. Ele te deu carta branca pra mexer no computador dele. Ou seja, isso é sinal de que confia em você. E se ele tivesse algo realmente importante  pra esconder, tenha certeza de que você não estaria ali sem o devido acompanhamento.

5) Lembre-se:   o jpeg no computador não tá assistindo seriado abraçadinho com o moço no sofá (hehehehe!). Você tá.

6) Por fim, nudes são apenas nudes. Vem e vão. Você não. Você tá ali, junto, curtindo, dando risada…

Então, nada de bico e nem choro. Abstrai e vai curtir o cara, pois o que importa pra você é somente o que você está vivendo ali, naquele momento. O que passou, o que aconteceu sabe-se lá quando, como e o por quê não vai (nem pode ou deveria) mudar nada na sua relação com ele.

Agenda: novidades e dicas para o Carnaval de 2017

Por Chris Menezes

Foto: Chris Menezes

Skidum, skidum… Temos uma novidade maravilhosa para vocês!

A partir de agora, contaremos com uma agenda dos melhores eventos, programas e bares para curtir por aí. E claro que nossa estréia não teria como ser menos tropical – vamos no embalo dos tamborins!!!

ENSAIOS TÉCNICOS DAS ESCOLAS DE SAMBA

Ainda dá tempo de ver algumas escolas testando todo o conjunto antes do desfile real das agremiações. Os ensaios são tão populares quanto o evento principal em si e costumam lotar o Sambódromo. É bom chegar cedo.

São Paulo
Sexta-feira – 17/02/2017
  • Mocidade Alegre: 21h
  • Vai-Vai: 22h15

Onde: Sambódromo do Anhembi – Avenida Olavo Fontoura, na altura do 1.209 – Zona Norte
Preço: entrada gratuita

Rio
Sábado – 18/02/2017
  • Unidos de Padre Miguel: 20h30
  • Imperatriz Leopoldinense: 22h
Domingo – 19/02/2017
  • Mangueira: 21h30

Onde: Sambódromo do Rio – Rua Marquês de Sapucaí – Santo Cristo
Valor: entrada gratuita

lanca_color_3.jpg

BLOCOS DE RUA

Nada mais democrático que sair pelas ruas e se juntar aos foliões. Um clássico do carnaval! 😉

São Paulo
Sábado – 18/02/2017
  • Bloco Beleza Rara com Banda EVA: um dos mais populares blocos da folia de Salvador se apresenta pela primeira vez nas ruas de São Paulo, em evento gratuito vai agitar pré-Carnaval paulistano com muito axé.

Onde: rua Fiandeiras, 647 (Concentração)
Hora: 13h
Valor: gratuito

Rio de Janeiro
Sábado – 25/02/2017
  • Multibloco – um dos blocos mais ecléticos fará desfile homenageando as mulheres da música brasileira! O repertório passará pelos sucessos de Elis Regina, Rita Lee, Clara Nunes, Elza Soares a Karol Conka, MC Carol, Mayara e Maraisa, entre tantas outras mulheres incríveis da música brasileira.

Onde: rua Didimo, esquina com a Rua do Senado, na Lapa (concentração)
Hora: 10h
Valor: gratuito

FESTAS E BAILES

Coloca purpurina na sua máscara, ajusta a fantasia! Chegou a hora de buscar todo glamour vip que o carnaval pode te oferecer.

Litoral de São Paulo
Segunda – 27/02/2017
  • Baile da Favorita – o baile funk carioca mais famoso do Brasil invade o Cafe de La Musique São Pedro. Comandando a pista, os funkeiros MC Bola – conhecido pelo sucesso “Ela é Top”, Mc Pikeno e Nego Ban & Nandinho – do hit Malandramente.

Onde: Café de La Musique São Pedro – Rod. Guarujá-Bertioga, KM 15 – Praia de S. Pedro – Guarujá
Hora: 15h
Valor: 90 reais (mulheres) / 100 reais (homem)
Ingressos: clique aqui

Rio de Janeiro
Quarta – 01/03/2017
  • Camarote Allegria – já está virando tradição no Carnaval carioca, a feijoada realizada durante a apuração dos desfiles das escolas de samba. Esse ano, o camarote terá show do bloco Fica Comigo, Lucce e Zedoroque. Uma boa oportunidade de ouvir o bordão “Dez, nota deeeeeeeeeeez!” ao vivo e em cores.

Onde: Sambódromo
Hora: 14h
Valor: 490 reais (mulheres) / 590 reais (homens)
Ingressos: clique aqui

CARNAVAL CERVEJEIRO

É… cerveja também é folia! Se você não abre mão da sua artesanal preferido, temos duas dicas que vão deixar sua folia ainda mais gostosa de curtir!

Rio de Janeiro

Sexta – 17/02/2017

  • Bier Fest Carnaval – um dos mais gostosos eventos de food&bier do Rio terá uma edição de Carnaval com, é claro, muita cerveja artesanal e atrações como o Bloco Escangalha.

Onde: Parque dos Patins – Av. Borges de Medeiros, s/n – Lagoa
Hora: Sexta 17/2: 18 às 22h e Sábado e domingo, 18 e 19/2: 14 às 23h
Valor: entrada gratuita

Costa Verde
Sexta a Domingo – 17/02/2017 a 19/02/2017 
  • Pré-carnaval Mistura Clássica – a famosa cervejaria promoverá um pré carnaval regado a muito chope artesanal, shows e DJ.

Onde: Cervejaria Mistura Clássica -Rodovia Mário Covas (BR 101), Km 469 – Angra dos Reis
Hora: 17/2 às 18h até 19/2 às 23h
Ingressos: Venda dos kits Folião Cervejeiro no Bar da Fábrica e nos telefones (24) 99219 – 0685 / (24) 98128 – 5350

Boa folia!!!!

Balcões: mulheres no comando | #mulheresnobalcão

Por Chris Menezes

She’s the boss. Apesar de bem sexista, essa frase define bem essas mulheres que fizeram e fazem história no mundo da coquetelaria. Elas marcaram época, inspiraram outras mulheres e trouxeram charme e delicadeza para um universo essencialmente masculino.

Ada “Coley” Coleman – uma das primeiras mulheres a exercer a função de bartender, Coley foi, sem dúvida, a mais icônica. Em 1903, ela se tornou a primeira e, até hoje, única mulher a assumir o posto de head bartender do lendário American Bar do hotel Savoy em Londres. Desde 1899 à frente de bares ingleses, servia cocktails exclusivos de acordo com as preferências de seus clientes. Seu signature drink é o instigante Hanky-Panky, cuja receita mistura gin, vermuth doce e Fernet.

Julie Reiner – uma das principais expoentes da coquetelaria high-end, Julie esteve à frente de bares que mudaram a cena coqueteleira de Nova York. Em suas criações para o Clover Club e Flatiron Lounge, do qual é também uma das fundadoras, prevalecem ingredientes frescos, sazonais e de altíssima qualidade. Julie já recebeu inúmeros prêmios, entre eles o James Beard Award.

Ciente de sua importância num mercado dominado por homens, Julie assumiu para si a missão de encorajar outras mulheres a seguirem seus passos na coquetelaria.

“Estou cansada de fazer parte de um clube de meninos. Vou continuar buscando mais mulheres para a coquetelaria. Em Nova York já é possível encontrar muitos talentos femininos, mas ainda assim é um clube de meninos.” – Julie Reiner

Inés de los Santos – de garçonete de Francis Mallman à mais influente bartender da Argentina. Inés teve formação na gastronomia, mas sua vida deu uma guinada quando foi trabalhar num balcão e descobriu sua verdadeira paixão: a coquetelaria. Numa época em que saber preparar um kyr royal era o suficiente para garantir uma vaga como barman, Inés esteve à frente de 2 dos mais influentes bares da capital portenha – Mundo Bizarro, um precursor na cena etílica, e Gran Bar Danzón.

De lá pra cá, Inés consolidou sua carreira e se tornou uma das mais requeridas mixologistas da Argentina e se orgulha de ter mostrar aos homens que, se há uma festa, as mulheres também podem se encarregar das bebidas. Sou muito fã!

Jéssica Sanchez – essa paulista de São Caetano do Sul é uma quebradora de regras. Criada nos preceitos da religião mórmon, Jéssica enfrentou alguns percalços até chegar ao posto de uma mais das mais influentes mixologistas do Brasil.

Profissional dedicadíssima, Jéssica foi a primeira mulher a vencer o Vive La Révolution, espécie de Oscar da coquetelaria mundial, promovido pela vodka Grey Goose. Foi também a primeira mulher a assumir, com apenas 25 anos, o comando dos bares do hotel Copacabana Palace.

Jennifer La Nechet – a bartender francesa do Café Moderne de Paris desbancou nada menos que 10 mil bartenders e foi a primeira mulher a ganhar o título de “Melhor Bartender do Mundo” no The World Class, realizado em setembro de 2016.

Alex Kratena, um dos mais premiados mixólogos do mundo, não economizou nos elogios:

O padrão, neste ano, foi absolutamente fenomenal. Foi muito difícil escolher o melhor bartender entre esses bartenders. Jennifer se destacou, mostrando todas as habilidades desejáveis em um bartender e surpreendeu a todos, com seus twists de coquetéis clássicos com misturas caseiras e ingredientes orgânicos.

Drinks para mulheres. Isso existe? | #mulheresnobalcão

Por Chris Menezes

Foto: Sex and City
Foto: Sex and City

Quantas e quantas vezes você já não ouviu dizer que mulher prefere bebida docinha? Ou que preferimos drinks mais fraquinhos e com pouco álcool? Tenho certeza também que você já deve ter passado pela situação do garçom servir teu drink para seu acompanhante, enquanto você recebia o suco do rapaz.

É, meninas, o mundo ainda é um lugar pouco acolhedor para mulheres que gostam de beber.

Ok, a ciência afirma que o corpo feminino tem menor tolerância ao álcool, por ter menos enzimas ADH e ALDH que o masculino. Mas isso nos faz obrigatoriamente bebedoras de bebidas doces, fracas ou suaves? Claro que não. Isso só nos fará ter mais ressaca se exagerarmos na dose.

Colocando de lado a questão fisiológica, entramos no campo do subjetivo, do gosto pessoal. Um campo livre pra todo mundo e não deveria ter a ver com gênero. Entretanto, é justamente aqui que aflora o grande monstro da estereotipagem. Já vi post escritos por mulheres, classificando que apreciadoras de cerveja são assim, as de vinho são assado… hahahaha! Chegam até ao requinte de associar a bebida a um tipo específico de homem, que essa mulher tenderia a preferir.

O cinema e a TV contribuíram para reforçar alguns esteriótipos. Foi assim com o Cosmopolitan em Sex and the City x Martini de James Bond ou o Old Fashioned de Don Draper x Gimlet de Betty Draper. Todos drinks de altíssimo teor alcoólico, nos quais a indústria tratou de embutir conceitos de delicadeza x virilidade, que sabemos não ter nada a ver.

Então, respondendo à pergunta do título desse post: não existem drinks para mulheres. Existe uma infinidade de opções e preferências pessoais.

Eu, por exemplo, gosto de bebidas fortes, com toques amadeirados e cítricos. Mas tenho uma grande amiga, excelente companheira de copo, que torce o nariz para os meus Negronis, afirmando serem fortes demais. Ela curte drinks com frutas e muito gelo, servidos em copos longos. E ainda tenho outra que prefere drinks com toques defumados.

Vamos parar de colocar rótulos (ok, amiguinhos?) e vamos beber o que nos dá vontade. Cheers!

Mulheres no Balcão: II semana temática

Por Chris Menezes e Rapha Perlingeiro

Foto: Coletivo Tropical
Foto: Coletivo Tropical

Nós decidimos fazer uma segunda semana temática aqui no Coletivo e, dessa vez, usamos a nossa amizade como inspiração. Pode parecer estranho, mas para a gente falar de “mulheres no balcão” é um assunto pessoal, já que a nossa amizade veio do gosto por esse mundo.

O Coletivo é organizado por três amigas – Chris Menezes, Mirella Camargo e Rapha Perlingeiro. E mesmo que a ideia do Coletivo tenha começado com a Rapha e a Mirella em uma mesa do Café Carandaí, a nossa amizade tem uma história anterior, que começou no balcão de um bar, entre a Mirella e a Chris.

Elas aproveitaram uma noite quente de dezembro e marcaram de se conhecer pessoalmente no balcão que o querido Marcos Néia comandava na Barra. Um tempo depois, a Rapha se juntou em outra noite de drinks. Desde então não nos separamos mais!

Foto: Chris Menezes
Foto: Chris Menezes

É incrível que, em pleno século XXI, a gente ainda escute coisas como “Mulher sozinha no bar tá querendo pegar homem”, “mulher é fraca pra bebida”, “whisky (gin/vodka/cachaça) é coisa pra macho”. Também nos cansa os olhares de pena quando entramos e sentamos sozinhas num bar.

Chega, né gente? Já passamos bastante da fase de sermos objetos decorativos. Temos gostos e de muito bom gosto, por sinal. Temos habilidade e talento de sobra. Exemplos não faltam: Ada Coleman, Julie Reiner, Jenniffer Le Nechet, Ines de los Santos, Jessica Sanches são apenas alguns exemplos de mulheres que despontaram e fizeram a diferença no mundo da coquetelaria no lado de lá do balcão. No lado de cá, estamos cada vez mais presentes, ocupando mais e mais espaço. E é disso tudo que trata a Semana Mulheres no Balcão.

Entre os dias 13 e 19 de novembro, teremos posts diários e muita interação nas redes sociais: snapchat, instagram, facebook, twitter e pinterest.

Vem conhecer um pouquinho sobre esse mundo tão rico e mágico. Sente com a gente e sinta-se à vontade.