Balcões: mulheres no comando | #mulheresnobalcão

Por Chris Menezes

She’s the boss. Apesar de bem sexista, essa frase define bem essas mulheres que fizeram e fazem história no mundo da coquetelaria. Elas marcaram época, inspiraram outras mulheres e trouxeram charme e delicadeza para um universo essencialmente masculino.

Ada “Coley” Coleman – uma das primeiras mulheres a exercer a função de bartender, Coley foi, sem dúvida, a mais icônica. Em 1903, ela se tornou a primeira e, até hoje, única mulher a assumir o posto de head bartender do lendário American Bar do hotel Savoy em Londres. Desde 1899 à frente de bares ingleses, servia cocktails exclusivos de acordo com as preferências de seus clientes. Seu signature drink é o instigante Hanky-Panky, cuja receita mistura gin, vermuth doce e Fernet.

Julie Reiner – uma das principais expoentes da coquetelaria high-end, Julie esteve à frente de bares que mudaram a cena coqueteleira de Nova York. Em suas criações para o Clover Club e Flatiron Lounge, do qual é também uma das fundadoras, prevalecem ingredientes frescos, sazonais e de altíssima qualidade. Julie já recebeu inúmeros prêmios, entre eles o James Beard Award.

Ciente de sua importância num mercado dominado por homens, Julie assumiu para si a missão de encorajar outras mulheres a seguirem seus passos na coquetelaria.

“Estou cansada de fazer parte de um clube de meninos. Vou continuar buscando mais mulheres para a coquetelaria. Em Nova York já é possível encontrar muitos talentos femininos, mas ainda assim é um clube de meninos.” – Julie Reiner

Inés de los Santos – de garçonete de Francis Mallman à mais influente bartender da Argentina. Inés teve formação na gastronomia, mas sua vida deu uma guinada quando foi trabalhar num balcão e descobriu sua verdadeira paixão: a coquetelaria. Numa época em que saber preparar um kyr royal era o suficiente para garantir uma vaga como barman, Inés esteve à frente de 2 dos mais influentes bares da capital portenha – Mundo Bizarro, um precursor na cena etílica, e Gran Bar Danzón.

De lá pra cá, Inés consolidou sua carreira e se tornou uma das mais requeridas mixologistas da Argentina e se orgulha de ter mostrar aos homens que, se há uma festa, as mulheres também podem se encarregar das bebidas. Sou muito fã!

Jéssica Sanchez – essa paulista de São Caetano do Sul é uma quebradora de regras. Criada nos preceitos da religião mórmon, Jéssica enfrentou alguns percalços até chegar ao posto de uma mais das mais influentes mixologistas do Brasil.

Profissional dedicadíssima, Jéssica foi a primeira mulher a vencer o Vive La Révolution, espécie de Oscar da coquetelaria mundial, promovido pela vodka Grey Goose. Foi também a primeira mulher a assumir, com apenas 25 anos, o comando dos bares do hotel Copacabana Palace.

Jennifer La Nechet – a bartender francesa do Café Moderne de Paris desbancou nada menos que 10 mil bartenders e foi a primeira mulher a ganhar o título de “Melhor Bartender do Mundo” no The World Class, realizado em setembro de 2016.

Alex Kratena, um dos mais premiados mixólogos do mundo, não economizou nos elogios:

O padrão, neste ano, foi absolutamente fenomenal. Foi muito difícil escolher o melhor bartender entre esses bartenders. Jennifer se destacou, mostrando todas as habilidades desejáveis em um bartender e surpreendeu a todos, com seus twists de coquetéis clássicos com misturas caseiras e ingredientes orgânicos.

Anúncios

Deixe o seu tempero ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s