Minha primeira vez sozinha no balcão | #mulheresnobalcão

Por Kely Martins Bauer 

A Kely é nossa primeira guest post. Uhu! A gente não poderia deixar de convidá-la, já que está sempre aceitando participar das nossas aventuras. E dessa vez não foi diferente, ela mergulhou na proposta do #mulheresnobalcão e fez este post aqui contando tudo para a gente. 

Obrigada, Kely! You go, girl!

kelypelomundo_drink_coletivotropical
Foto: @kelypelomundo

Você já foi a um bar sozinha? Não??? Nossa, acho que deveria ir!

Essa, com certeza, será uma frase que irei dizer nos próximos dias a muitas mulheres. Sabe por quê? Porque eu passei por uma experiência incrível nessa quarta-feira e acredito que outras mulheres deveriam também experimentar.

Meu Deus!! Fui a um bar sozinha pela primeira vez na vida!

A ideia

Tudo começou quando, no mês passado, recebi uma mensagem de voz de uma amiga  virtual, Rapha Perlingeiro, me convidando para participar de uma experiência, na qual mulheres iriam a bares e sentariam no balcão. A proposta foi dividir suas experiências através de minivídeos compartilhados com os seguidores do Snapchat.

Quando a Rapha terminou de fazer o convite, eu dei um saltinho e nem pensei duas vezes, a minha resposta foi um SIM com um sorriso de orelha a orelha. Achei a ideia brilhante!

Avisei o marido sobre o projeto. Ele, como um bom austríaco, que acha que as mulheres são independentes e que podem e devem fazer o que querem, nem titubeou. Concordou sem fazer muitas perguntas. Mas depois, fiquei pensando… será que ele só aceitou por ser parte de um projeto? E se eu falar que vou sozinha, sem ter o pretexto de um projeto, ele acharia estranho?

Depois de quase um mês de espera chegou o grande dia, e lá fui eu participar dessa aventura que seria compartilhada  pelo snapchat. Aí, aí! Confesso que jamais teria pensado em ir a um bar sozinha se não tivesse recebido esse convite.

Olha que loucura!  Tenho o hábito de ir sozinha ao teatro e ao cinema e, apesar de ter viajado em setembro e ter passado 5 dias em Nova York sem qualquer companhia, nunca havia ido a um bar sozinha.

A experiência em si

Cheguei cedo no bar, por volta das 18:30h. Como estamos no inverno, escurece às 16:30h. Lá fui eu, com as mãos frias e um sorriso amarelo. Sentei no bar e pedi um drink, isso foi tranqüilo, mas tenho problemas para escolher petiscos. Quem convive comigo sabe que nunca escolho nada sozinha quando o assunto envolve comida. Ou seja, além de estar sozinha no bar, tive que decidir o que comer.

Acabei ficando um pouco desconcertada, sem saber o que escolher, e pedi a primeira coisa que meu olho viu no cardápio.

Uma porção de queijo parmesão, por favor?

O Barman fez uma cara de interrogação e sinalizando com a mão de que seria uma combuquinha disse:

A senhora quer uma porção de parmesão?

Eu, tranquilamente, confirmei apenas com um sorriso.

A impressão que eu tive era de que o Barman achou que estava esperando por alguém, mas com o passar dos minutos ele percebeu que realmente estava sozinha. E, lá vinha com seus olhares de estranhamento, mas sempre me tratando muito gentilmente.

Recebi minha bebida, relatei no snapchat para nossos seguidores, minhas sensações e percepções … estava tudo favorável até a  hora que a porção chegou… Jesus amado! Eu simplesmente tive uma crise de riso. Não conseguia me concentrar. Isso porque a porção era enorme e dava para três pessoas tranquilamente.  Daí entendi a cara assustada do Barman.

O  celular

Não quis me esconder atrás de um celular e queria apenas relatar o necessário. A gente sabe que um celular na mão tira a sensação de se estar só.

Daí o que eu fiz: guardei na bolsa e fiquei observando o ambiente e as pessoas, pois queria estar 100% no bar, sem o apoio da vida virtual.

Depois de quase 40 minutos sentada ali,  a única mulher sozinha no bar, observando e fazendo pequenas anotações num guardanapo, chegaram dois caras para conversar comigo. Eles foram super gentis. Disse que era casada e continuamos a bater papo por uma hora, de uma forma muito tranquila. Tomei mais um drink e voltei para casa. Um deles insistiu para eu pegar um táxi, por achar que seria mais seguro, e eu disse que iria de metrô. O rapaz, meio a contragosto, aceitou minha decisão e me acompanhou até a estação de metrô. Pronto, ali acabou a noite. Simples assim. Naquele dia, morreu a possibilidade de não ir a um bar por estar sozinha.

Reflexão

  • Por quê mulheres, geralmente, não vão a um bar sozinhas? 

Bar geralmente é lugar de paquera, certo? Errado! Por que os homens podem ir sozinhos, e nós não? Isso é uma coisa interessante para se refletir e começar a socializar. Viena é uma cidade muito conservadora e raramente se vêem mulheres sozinhas. Acho que o assunto ainda é tabu por aqui também.

Percebi que, quando disse ser casada, causei mais estranheza e curiosidade nas pessoas com quem conversei, mas quando revelei que era parte de um projeto, elas acharam interessante e relaxaram um pouco mais.

  • Qual a diferença entre ir sozinha a um bar ou a um café?

Acho que em bar não é comum uma mulher estar só como citei anteriormente, mas em cafés é extremamente comum ver mulheres sozinhas, lendo um livro, escrevendo no computador ou apenas apreciando um café ou outra bebida qualquer. E por quê nesse ambiente não há mais o preconceito?

Se formos estudar sobre o assunto, as casas de café também não eram lugar para mulheres anos atrás. Que tal reformularmos o conceito para os bares também?

  • Preconceito é real ou será que é algo de nossas cabeças, com a interpretação  de  olhares no ambiente?

Respondendo rapidamente, diria que sim, que o preconceito é real. Acredito que haja preconceito ao ver uma mulher sozinha no bar, mas, conversando com algumas pessoas, percebi que aqui, na Europa em geral, há mais curiosidade do que preconceito; um certo interesse em saber o que leva uma pessoa a ir sozinha a um bar.

Com certeza um tema como esse dá para desenvolver várias ideias e discutir sobre diversos aspectos, não é mesmo?

Bom, de qualquer forma queria compartilhar que adorei a experiência e, certamente, irei fazer isso novamente. A próxima aventura será num restaurante mais elegante. Será que dou conta, já que não será um projeto e sim vida real?

E você, qual é a sua experiência,  ou opinião nesse assunto?

Anúncios

Deixe o seu tempero ;)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s